João Goulão

JOÃO GOULÃO – AS MARCAS DO FUTURO: SIMPLES COMMODITIES OU TREND MAKERS?

JOÃO GOULÃO,  Diretor geral da Cupido e da Main Interactive

JOÃO GOULÃO,
Diretor geral da Cupido e da Main Interactive

Na sua opinião, qual será o papel das marcas nos próximos cinco anos? Quais os principais desafios? 

O sucesso na gestão de qualquer Marca passa por um exercício permanente de atenção a tudo o que se passa à nossa volta. Esta observação atenta das relações e dos comportamentos humanos dá-nos pistas relevantes para uma abordagem eficaz na relação com o mercado e com os nossos clientes em particular. Sair da rotina do dia-a-dia e esquecer por algum tempo aquelas tarefas mais ou menos mecanizadas permite-nos “levantar a cabeça” e procurar novas inspirações. Estar atento às tendências, falar com as pessoas na rua, dominar as novas expressões idiomáticas, viajar, ir ao futebol, ir a concertos, ir a conferências, usar novas tecnologias, ouvir histórias … abre-nos mundo e dá-nos uma “bagagem” importante.  Esta prática deveria assumir caráter obrigatório para quem se dedica à gestão de Marcas no século XXI. Afinal, são estes “momentos-radar” que dão sentido aos estímulos sensoriais e que nos permitem explorar eficazmente a componente mais emocional da comunicação. O desafio que se coloca nos próximos tempos é não nos limitarmos a contar passivamente a história da nossa Marca … mas entrar (a fundo) nessa história e fazer parte integrante da sua vivência diária.

Neste contexto, como perspetiva a evolução da sua marca?

A Cupido celebra 10 anos em 2015. Nesta década, muito mudou e muito mudará no futuro.  A “arte” da comunicação já não é o que era e há muito tempo que comunicar em monólogo não faz sentido. Quer os nossos clientes, quer os clientes dos nossos clientes, estão mais distraídos, mais solicitados, mais exigentes, mais informados, mais interativos, mais focados no que lhes interessa … E neste contexto, uma Marca de serviços como a Cupido tem de ser mais relevante do que nunca: tem de conhecer o “outro lado” como ninguém e perceber as necessidades, os ritmos e os anseios dos seus clientes.  Só com esta abordagem pragmática e com o foco no desenvolvimento de projetos que tenham o envolvimento das duas partes conseguiremos posicionar-nos como uma Agência que continuará a aportar (real) valor acrescentado aos negócios que trabalhamos. Hoje e amanhã, queremos continuar a dizer aos nossos clientes que o nosso “casamento” resulta.  E que o retorno dos seus investimentos também.